Já ouviu falar no “triângulo perfeito da empregabilidade”? Será tendência em 2023 na Gestão de Pessoas. Descubra as restantes

No final de cada ano, as empresas procuram fazer um balanço dos seus sucessos e desafios, e reflectem sobre as mudanças no novo ano que se segue. Com base na sua experiência, a multinacional Multitempo by Jobandtalent sugere quais serão as tendências na área de Recursos Humanos para 2023.

 

1. Digitalização “humanizada” dos processos
O desenvolvimento da digitalização na área de RH vai ser algo cada vez mais recorrente. A tecnologia é um facto incontornável nos processos associados à Gestão de Pessoas: gestão de assiduidade, recrutamento assente em meios digitais, entrevistas e testes utilizando plataformas online, aplicações para a gestão do engagement, formação e gestão de trabalho híbrido. Em particular na área do recrutamento as evoluções são tremendas. A inteligência artificial é uma realidade há algum tempo.

Parecendo um contrassenso, existe também uma tendência para a conjugação entre a tecnologia e o «voltar às bases», às pessoas. As soluções estratégicas omnicanal continuarão a ser importantes, apesar da vertente digital ter vindo para ficar, continuando a ser essencial a valorização de outros meios para a captação de candidatos, como por exemplo o word of mouth e acções presenciais de activação.

 

2. Competências digitais com posição reforçada
A transformação digital, que tem ocorrido de forma transversal em praticamente todos os sectores de actividade, tem provocado alterações profundas no mundo do trabalho. Há cada vez mais um equilíbrio entre a importância das soft skills e das hard skills na gestão de pessoas, sendo que, com as digital skills, se cria aquilo a que se pode vir a designar como o «triângulo perfeito da empregabilidade», tendência da qual a Multitempo by Jobandtalent não prescindirá em 2023.

 

3. Mudança para uma contratação baseada em competências
Perante a necessidade de produzir resultados a curto/médio prazo, as organizações optam, preferencialmente, por contratar colaboradores com base em competências apoiadas na experiência, acabando por, às vezes, valorizá-las em detrimento do grau académico, nos critérios de contratação.

Esta tendência traz desafios acrescidos na integração dos jovens no mundo do trabalho, que acabam por abraçar oportunidades de aprendizagem e integração através do trabalho temporário, programas de estágios e aprendizagem, que fornecem uma experiência relevante no desenvolvimento das suas competências.

Esta tendência materializa de forma mais “vincada” os já bem conhecidos conceitos de upskilling e reskilling, que trazem o mindset de desenvolvimento de competências e aprendizagem ao longo da vida.

 

Exemplo disso é a crescente importância do People Analytics nas organizações, que traz novas ferramentas para analisar conhecimentos, competências e até comportamentos dos colaboradores, para prever cenários e planear acções que permitam a prevenção de riscos, que possam colocar em causa os resultados da organização.

 

5. O Employee Experience
A gestão da experiência do colaborador e o seu bem-estar integram o leque dos principais desafios actuais das organizações. Prova viva é o crescimento da oferta de formação avançada e até executiva sobre a gestão da felicidade e bem-estar organizacional.

Os colaboradores, estando cada vez mais conscientes das suas competências, desafiam as organizações na definição de estratégias com vista à sua atracção, engagement e retenção, garantindo uma «harmonia» entre os colaboradores e a cultura, missão e propósito da organização.

A Multitempo by Jobandtalent prevê que, em 2023, se acentuará a tendência de se conhecer mais e melhor as preferências e motivações dos colaboradores, uma vez que, também neste campo, não há soluções one size fits all.

Fone: https://hrportugal.sapo.pt/

Uncategorized